Um inesquecível chapéu de cowboy

Eles tem estilo. E talvez não só musicalmente falando. Mesmo que seja meio complicado definir esse estilo, vamos optar pelo básico e dizer que é rock alternativo mesmo. Cake é uma banda que toca rock recheado com trompete e adornado pela voz que muitas vezes recita ao invés de cantar as letras. E por saberem misturar tudo de uma vez no liquidificador, para o Cake eu tiro meu chapéu. Chapéu de cowboy, claro. A banda é, certamente, responsável pelo cover mais legal de I Will Survive da história da música.

Um fato interessante. O pessoal do Cake, mais especificamente o vocalista John McCrea, é a favor de que não se faça mais roupa no mundo. Diz McCrea que já há roupas suficientes no mundo e que deveríamos começar a comprar em brechós. Eu adoro a idéia do brechó, juro. Mas e quando as roupas começarem a ficar puídas? Ummm… creio que isso não daria certo.

Mas se fosse para ser uma campanha, acho que eu apoiaria. Temos mesmo é que comprar roupa em brechó. Nada mais bacaninha do que ser vintage. E nesse mesmo sentimento vintage, trago um clip com cheiro de naftalina dos anos 90. Cake, em Never There, single do terceiro de seis álbuns da banda.

Anúncios

O direito de resposta, em bom português.

Eu sei que eu disse que estava com bloqueio criativo. De certa forma, ainda estou. Mas algumas coisas despertam a gente da inércia, aí dá vontade de escrever alguma coisa. Na realidade, eu nem escreveria, caso meu domínio do espanhol fosse maior do que é no momento. Mas como meu espanhol ainda não passa muito do esforçado “¿hola, qué tal?”, resolvi desabafar em bom português.

Veja bem, estou fazendo aulas de espanhol durante essas férias. E, para variar, eu sou provavelmente a figura mais estranha dentro da classe. Não que eu não esteja acostumada com o fato, pois quando se lida com moda, isso acontece e muito. Quando contei em que área me formei, foi bem sonoro: “Aaaah… faz sentido, bem que eu percebi você toda diferente…” Anyway, ser igual realmente já não me atrai há tempos. E claro que somos todos figuras interessantes e diferentes na classe, mas visualmente falando… talvez meus cabelos pintados, minhas leggins e vestidos coloridos me denunciem como pouco ortodoxa. Imagine se eu já tivesse feito as tattoos que tanto gostaria!

Bom, diferenças à parte, essas últimas semanas se transformaram para mim em uma experiência fabulosa, não só pelo conhecimento da língua, mas pelas pessoas interessantes que pude conhecer. Muita gente divertida, inteligente, determinada, hilária, amável, etc, etc. A própria professora, uma paraguaya adorável, é merecedora de boa parte dos elogios.

Geralmente, eu gosto de pessoas. As pessoas em geral. O ser humano, que seja. Não sou criatura das mais sociáveis, mas também não faço tão feio no quesito. E ser relacionável pode ser delicioso, mas ninguém nunca é fácil. Principalmente quando se é uma figurinha… “diferente”, eu diria. Mesmo que todos fôssemos iguais, ainda assim seria sôfrego boa parte das vezes, pois ser humano que se preze sempre arranja uma desculpa pra uma briguinha, uma discussão, ou qualquer coisa que possa resultar em uma tertúlia. Na minha classe de espanhol não poderia ser diferente.

Num jogo proposto pela professora para fins didáticos (obviamente), sorteamos profissões em espanhol para cada um dos alunos. A idéia era: estamos dentro de um balão e alguém precisa pular, pois está muito pesado. Baseado na profissão da pessoa, vamos ter que escolher quem pula. E nós teríamos que gastar todo o nosso latim, quer dizer, o nosso espanhol, para convencer os outros de como nossa presença no balão era necessária.

Minha profissão no sorteio foi Massagista. Nada contra os massagistas (aliás, nada contra e tudo a favor, pois eu amo massagem!), mas eu sabia que não ia dar outra: eu ia ter que pular. Qual foi a minha surpresa, quando no outro grupo (eram dois balões) uma outra aluna sorteou a profissão de Modista. E sabe lá Deus o que eles realmente querem dizer por modista hoje em dia, já que para a maioria das pessoas não passamos de desenhistas e costureiros. Triste, porém real. Mas o fato é que havia uma modista no balão. E ela também sabia que iria pular, coitada.

Bom, eu nem precisei suar muito nas minhas justificativas para ficar no balão. Tinha uma vidente no balão. E até ela preveu sua queda. Acabei ficando no balão. Mas no outro balão, a modista não se salvou. E as justificativas, apesar de concretas, foram cruéis. “Moda é coisa de patricinha”. “Moda é coisa de gente superficial”. Coisas desse tipo não tardaram em ressoar pela sala. E eu, em defesa da classe, tentei explicar com o espanhol mais tosco da face da terra que as coisas não eram bem assim, que moda era uma coisa não somente importante, como é uma das faces da Arte. E eu voltava a escutar comentários compreensivelmente ignorantes. Aí não rolou: la sangre española falou mais alto nas minhas veias e comecei a falar em português, indignada com o fato de pessoas que se vestem todos os dias para ir trabalhar e pessoas que dizem adorar e comprar sapatos compulsivamente soltarem frases como “moda não é importante” ou “moda é coisa para patricinha fazer”. Mas como as conversas em português nunca duram na sala, logo eu deixei de lado a tertúlia e me concentrei novamente nos pronomes possessivos.

A unanimidade é burra. Certo, isso todos sabemos. Nem pretendo que todos entendam as coisas da mesma forma que eu. E eu entendo que a minha área esteja realmente cheia de pessoas pouco preocupadas em divulgar o sentido artístico da moda e da estética. A preocupação é mesmo a de ganhar dinheiro e escravizar a partir de tendências. Mas isso é tão pequeno, se olharmos para a imensidão da indústria de moda, os milhões de empregos e pessoas que fazem chegar até você o que quer que seja que você esteja vestindo agora. E nem vou mencionar as grandes e geniosas mentes artistas do século passado, de Chanel, Dior a Balenciaga e outros mais, que revolucionaram o estilo de vida da sociedade ocidental, trazendo a funcionalidade e a estética necessária à época.

É uma pena não termos memória. Mas tudo bem, tenho que ser compreensiva. Desabafei, agora é bola pra frente. De volta aos estudos, muchachos.

Blank.

Estou tendo um bloqueio criativo. Deu branco. Engraçado que acontece tudo de uma vez. É uma bola de neve. Bem branca. Os periódicos de moda, todos, ficaram sem gosto, sem sal. Nada me interessa. Nem a Gisele Bündchen na campanha de Yves Saint Laurent, nem Kate Mossa na campanha da Versace. Nenhum arrepio, nenhum tilintar de sinos fashion-celestiais. Nem fui à Bsb Mix aqui em Brasília esse fim de semana, e eu estava doida pra gastar meu dinheirinho nas peças descoladinhas das Devil Girls. E olha que oportunidades não faltaram, mas eu simplesmente não fui. Não é simplesmente branco e bloqueio criativo. É tudo de uma vez. Será que eu perdi a paixão? Será somente preguiça? Não sei o que é pior: Ser uma completa desapaixonada apática ou uma apaixonada completamente preguiçosa.

Que maravilha?

cristo.jpg 

Eu não sei de onde tiraram que o Cristo Redentor é a terceira maravilha do mundo. Tudo bem, é uma coisa linda, mas a torre Eiffel ter ficado de fora foi dose. O complexo de castelos de Alhambra também foi de matar. Não é à toa que os europeus ficaram tão bravos com o resultado da votação. E como competir com 170 milhões de votantes com anos de treinamento via edições do Big Brother Brasil? Pois é, não tem pra mais ninguém mesmo… Se é bom ou ruim, não sei…

Poxa, não dá pra aumentar a lista? Que tal as 10 maravilhas do mundo? Ou 15?

 eiffel.jpg
Injustiçado número 1: a francesa torre Eiffel

alhambra1.jpg
Injustiçado número 2: a espanhola Alhambra

Chora, zoropeuzada…

O RETORNO!!!

Acho que o mundo da música está passando por um momento meio nostálgico. Nada de muito inovador acontece no cenário musical atual, então a gente acaba querendo reviver os bons e divertidos momentos do passado. É fácil perceber, todos os artistas atuais bebem da fonte de algumas estrelas das últimas décadas. Em alguns casos, descaradamente, como Justin Timberlake enche a cara de Michael Jackson e Prince, e ainda se acha o último biscoitinho do pacote por causa disso…

Mais do que se inspirar em sons do passado, tem muita gente do passado que resolveu voltar à ativa. Pode ser um up na carreira, definitivamente. Exemplo é a volta do The Police. Depois de uma longa espera, os fãs puderam pirar ao som de Roxanne novamente, na cerimônia do Grammy em fevereiro. Outro que “voltaria à ativa” é o Prince. Coloco entre aspas porque, na realidade, os fãs de verdade sabem que ele nunca parou de trabalhar e lança cds quase que anualmente. Mas já faz tempo que deixou a mídia e as paradas de sucesso. Seu retorno triunfal veio com o show no intervalo do Superbowl americano, o mais assistido de toda a história do Superbowl, diga-se de passagem. O artista cantou antigos sucessos e levou a multidão à loucura com Purple Rain. Acho que a música dos anos 80 nunca esteve tão em alta desde a própria década de 80. É divertido revisitar o passado, principalmente quando hoje não toca nada empolgante nas rádios.

police.jpg
A feliz volta de The Police no Grammy Awards 2007.

prince.jpg
O eletrizante show de Prince durante o intervalo do Superbowl. Que retorno!

Vinda de um passado mais recente, a princesinha do pop Britney Spears virou a rainha da baixaria, casou-se, teve filhos, divorciou-se, embebedou-se (muito, aliás), raspou a cabeça e virou adepta das perucas. Agora ela também quer voltar aos palcos. Claro, por que não?! Afinal de contas, se tantos artistas estão voltando, por que a antiga realeza-farofa do pop não pode ter uma segunda chance também? Na pior das hipóteses, vai ser divertido, bom pra dar umas risadas…

britney.jpg

E antes de haver Britney Spears, o ídolo das massas adolescentes era nada mais nada menos que… Spice Girls! É, eu me lembro, até pela minha pouca idade (haha), de como as defensoras do Girl Power espalharam suas plataformas imensas, seus figurinos de gosto duvidoso e sua música chiclete pelo mundo todo. Até pirulito das Spice Girls tinha. E, num momento à la Beatles, até filme teve. Farofa demais pra você agora? Pois é, mas elas estão voltando!!!

spice2.jpg

Depois de muitos anos separadas e engajadas em carreiras-solo que nunca deveriam ter acontecido, as verdadeiras garotas super poderosas estão de volta, prometendo uma tour mundial! Eu sei, isso pode soar como a pior notícia dos últimos tempos. Mas na realidade vai ser bem divertido, e ainda vamos salvar nossos ouvidos de ouví-las cantando suas xaropes musiquinhas de carreira-solo. Vamos reunir as Spice Girls novamente para que elas façam aquilo que elas realmente sabem fazer: quase nada, porém unidas, chacoalhando os corpinhos e fazendo a bagunça musical que entretém as massas!

spice1.jpg

Se elas vierem ao Brasil, milhares de moças adultas (antes adolescentes especialistas em cover das Spice – eu sei, eu também brincava de ser spice girl…) vão surtar. A pergunta que não quer calar: Será que as Spice Girls vão adotar o visual de antigamente??? Pelas fotos, a gente nota que o tempo realmente não perdoa… Aguardemos, conferindo o divertido vídeo abaixo, onde elas anunciam a volta do grupo.